Pubicado em: seg, out 2nd, 2017

Conservação do patrimônio cultural é tema de Congresso Nacional

Um dos objetivos dar visibilidade ao patrimônio cultural da região, ainda desconhecido em parte do país – Foto por: Arquivo

A conservação do patrimônio cultural será discutida no 1º Congresso Nacional para Salvaguarda do Patrimônio Cultural: Fronteiras do Patrimônio, que acontece de 03 a 07 de outubro, a partir das 9h, no Auditório do Instituto Nacional de Pesquisa do Pantanal (INPP), campus da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT).

O evento, voltado a profissionais, professores, estudantes e demais interessados no assunto, é uma iniciativa da UFMT, por meio do Departamento de Arquitetura e Urbanismo da Faculdade de Arquitetura, Engenharia e Tecnologia (Faet), em conjunto com o Centro Internacional para a Conservação do Patrimônio (CICOP/Brasil). Conta com apoio da Secretaria de Estado de Cultura (SEC-MT).

De acordo com a professora Luciana Pelaes Mascaro, uma das organizadoras do evento, é a primeira vez que a UFMT vai sediar um congresso em nível nacional relativo ao assunto da preservação do patrimônio cultural.

“Trata-se de uma oportunidade de reunir especialistas sobre o tema na universidade, de fomentar o debate regional, além do nacional, e de dar visibilidade ao patrimônio cultural desta vasta região que, embora já reconhecido pelo Iphan [Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional], ainda é pouco difundido no país”.

Entre outros assuntos relevantes, o Congresso discutirá sobre limites e fronteiras – subjetivas e físicas – possibilidades, experiências e o futuro da salvaguarda do patrimônio cultural no Brasil. “Não apenas para fortalecer identidades, como também favorecer uma visibilidade mais democrática do patrimônio de regiões fronteiriças e distantes dos centros de maior visibilidade do país”, destacou Luciana, lembrando ainda que, em 2017, se comemora o 80º aniversário do Iphan.

“É uma ocasião propícia para ampliar, no território e no tempo, os debates sobre a salvaguarda do patrimônio cultural”, finaliza.

As atividades, palestras e oficinas do Congresso abordarão os modos de fazer e viver as criações científicas, artísticas e tecnológicas, as obras, objetos, documentos, edificações e demais espaços destinados às manifestações artístico-culturais. Além disso, o Congresso abordará os conjuntos urbanos e sítios de valor histórico, paisagístico, artístico, arqueológico, paleontológico, ecológico e científico.

As Linhas Temáticas do Congresso são: Patrimônio como política: gestão, políticas e programas públicos e ações privadas; Patrimônio como paisagem: paisagens culturais e lugares de memória; patrimônio imaterial e a ressignificação da paisagem; Patrimônio como projeto: projetos ou considerações sobre restauro, conservação, reabilitação ou requalificação do espaço urbano e do edifício.

Para saber mais sobre o Congresso, conhecer a programação cultural e se inscrever nas oficinas, acesse esse site. A programação e os temas das palestras estão disponíveis neste link. Para realizar inscrições para visitas técnicas, clique aqui.

Fonte: mt.gov.br

Sobre o Autor