Pubicado em: sáb, dez 23rd, 2017

Investir no futuro é chave para vencer batalha contra mudanças climáticas, diz secretário-geral da ONU

Secretário-geral da ONU, António Guterres, fala durante cúpula One Planet em Paris. Foto: OSSG

Aqueles que não conseguem apostar em uma economia verde viverão em um futuro cinza, advertiu o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, na semana passada (12), durante a abertura da cúpula One Planet, em Paris. Guterres pediu maior ambição dos governos, da sociedade civil, do setor privado e de parceiros financeiros para ajudar a enfrentar o desafio climático global.

“O negócio verde é um bom negócio”, disse o chefe da ONU, ao lado do presidente francês, Emmanuel Macron, e do presidente do Banco Mundial, Jim Yong Kim. “As energias renováveis são agora mais baratas do que a energia movida a carvão em dezenas de países desenvolvidos e em desenvolvimento. […] precisamos investir no futuro, e não no passado”, acrescentou.

Aqueles que não conseguem apostar em uma economia verde viverão em um futuro cinza, advertiu o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, na semana passada (12), durante a abertura da cúpula One Planet, em Paris. Guterres pediu maior ambição dos governos, da sociedade civil, do setor privado e de parceiros financeiros para ajudar a enfrentar o desafio climático global.

“O negócio verde é um bom negócio”, disse o chefe da ONU, ao lado do presidente francês, Emmanuel Macron, e do presidente do Banco Mundial, Jim Yong Kim. “As energias renováveis são agora mais baratas do que a energia movida a carvão em dezenas de países desenvolvidos e em desenvolvimento. […] precisamos investir no futuro, e não no passado”, acrescentou.

Realizado no dia 12 de dezembro, aniversário da adoção do histórico Acordo de Paris, o cúpula ofereceu uma oportunidade para acelerar a ação sobre mudanças climáticas. Em suas observações, Guterres apontou para os grandes recursos financeiros globais subutilizados e pediu que o dinheiro seja utilizado no futuro das pessoas e do planeta, além de ser utilizado com fins lucrativos.

“É um fato que os combustíveis fósseis continuam fortemente subsidiados – o que significa que estamos investindo em nosso próprio destino”, enfatizou, lembrando que cidades, regiões, estados e territórios em todo o mundo junto com milhares de empresas privadas – incluindo grandes empresas de petróleo e gás – já estão tomando medidas climáticas, resultando em novas indústrias e mercados, bem como em ambientes mais saudáveis e mais empregos.

“Ouvi dizer que a idade da pedra não terminou porque acabamos com as pedras. Não precisamos esperar para acabar com o carvão e o petróleo para acabar com a era dos combustíveis fósseis”, afirmou, acrescentando: “a mensagem é simples: aqueles que não conseguem apostar em uma economia verde viverão em um futuro cinza”.

O chefe da ONU ressaltou que não faltam recursos, mas confiança. “Precisamos corrigi-lo. Isto significa, em primeiro lugar, garantir que os países ricos honrem o seu compromisso e forneçam 100 bilhões de dólares por ano até 2020 para os países em desenvolvimento”.

Isso também significa que o Fundo Climático Verde deve se tornar um instrumento eficaz e flexível, especialmente para os países mais vulneráveis, como os pequenos Estados insulares e os países menos desenvolvidos. “Essas duas condições são essenciais para a confiança entre países desenvolvidos e em desenvolvimento”, enfatizou.

“Precisamos criar confiança e reduzir o risco, aproveitar ao máximo os recursos disponíveis e encontrar formas inovadoras de financiamento, como os vínculos verdes cuja viabilidade e sucesso já são realidades”, disse o secretário-geral. Também na cúpula, Jim Yong Kim, presidente do Grupo do Banco Mundial, anunciou que a instituição já não financiará petróleo e gás a partir de 2019, e que mobilizará recursos para mitigação e resiliência ao impacto das mudanças climáticas.

A Corporação Financeira Internacional (IFC), uma subsidiária do Grupo do Banco Mundial, investirá até 325 milhões de dólares no Green Cornerstone Bond Fund, uma parceria com a empresa de gestão de ativos Amundi, para criar o maior fundo de títulos verdes dedicado aos mercados emergentes. “Esta é uma iniciativa de 2 bilhões de dólares com o objetivo de aprofundar os mercados de capitais locais e expandir e desbloquear fundos privados para projetos relacionados ao clima. O fundo já está concordado em mais de 1 bilhão de dólares”, disse.

Fonte: nacoesunidas.org

Sobre o Autor