Anatomia Politica – 10 De Maio/2014

458

Introdução – Leia a opinião, sob o olhar de quem só observa: edital “torto” pode ser manobra nas eleições do IPMV…. pesquisas fajutas viram chacota na imprensa…. disputa para Deputado Federal divide família no Conesul… disputa para Deputado Estadual coloca prefeito de Vilhena em saia justa…

IPMV
Não entendo como o edital sobre a eleição do Instituto de Previdência da Prefeitura de Vilhena (IPMV) pode se sobrepor à Constituição Federal. Está claro que a sua elaboração tinha um alvo. Quem elaborou sabia que o servidor José Valdenir Jovino (Jovino Lobaz) era favorito na disputa. Acontece que ele tem um processo por acidente de transito com danos materiais.

Não há lei no Brasil que o proíba a ocupar cargo público em quaisquer esferas da administração. Só em Vilhena isso acontece. Então uma pessoa que se envolve em um acidente de trânsito é mau caráter? Bandido? Esse é o entendimento de quem elaborou o edital. Ou tem “coco” no lugar de cérebro ou usou de má fé.

Jovino é uma das pessoas mais sérias e corretas que eu conheço. Às vezes é até chato, de tão “certinho” com os seus compromissos. Acho que é isso que incomoda. Na administração pública, ser certinho demais atrapalha quem quer fazer as coisas de qualquer maneira. Tomara que ele entre na justiça e “derrube” esse edital “torto”.

Pesquisas
Virou piada o resultado de uma pesquisa eleitoral publicada recentemente em Rondônia por instituto de Paraná. A imprensa estadual fez chacota dos resultados e com toda a razão. Não existem mais ignorantes na política. Políticos e imprensa sabem das tendências da opinião pública – graças aos poucos profissionais e institutos de pesquisa sérios que ainda existem.

Trata-se de um instituto do Paraná, que aparece por aqui em épocas de eleição. Esse mesmo instituto errou 100% nas eleições para prefeito em 2012. Segundo eles, em Vilhena quem ganharia as eleições para prefeito era Luizinho Goebel e Cerejeiras Pedrinho do Taxi. Vexame total. É esse tipo de empresa fajuta que desmoraliza outros institutos sérios.

O pior que eles é que ganham dinheiro, vendendo resultados. Tem político que prefere pagar pesquisas a pilantras do a gente séria, que não altera resultados. Mais pilantra ainda é o político que paga para divulgarem mentiras. O povo mesmo deve repudiar esse tipo de político. “Quem não é fiel no pouco, não merece o muito”.

Sucessão a Deputado Federal – Conesul
A disputa eleitoral vai esquentar no Conesul antes das convenções. A suposta vaga para Deputado Federal que a região reivindica democraticamente está causando a maior celeuma nos bastidores do poder.

De um lado o grupo de Cassol quer emplacar o seu representante. Por enquanto o nome mais cogitado do partido PP é o da primeira dama de Vilhena, Lizângela Rover. Mas tem o Anedino da Farmácia, ex-prefeito de Colorado, como coringa.

Do outro lado o PMDB quer a vaga, antes ocupada pelo partido, através de Natan Donadon. O candidato do PMDB é o vereador vilhenense Junior Donadon. Acontece que a família Donadon está dividida. Eles estudam lançar Natan Donadon Filho, que mora atualmente em Porto Velho e é estudante de Medicina. Acontece que “Natanzinho” é do PTB – partido que deve combater Confúcio Moura nestas eleições.

O Conesul tem cerca de 85 mil votos válidos. Menos de 1/8 dos votos de Rondônia. Teoricamente teria dificuldade de eleger um Deputado Federal. Para conseguir essa representatividade deveria contar com um bom nome e reduzir a concorrência. Candidatos de outras regiões, por exemplo, torcem pelo caos. A máxima deles é “dividir para conquistar”.

Sucessão a Deputado Estadual – Conesul
Os bastidores também esquentam quando o assunto é eleição para Deputado Estadual. Em Vilhena o grupo do prefeito está de saia justa por conta do compromisso assumido com o vereador Vanderlei Graebin, presidente da câmara. Acontece que uma ala de seguidores de Rover quer que Lizângela concorra a Estadual. Se isso acontecer, Graebin perde boa parte de seus aliados.

A vida de político, nos bastidores, é mesmo cruel. Vejam bem: Se Lizãngela Rover for candidata a Deputado Estadual, tem grande chance de se eleger e facilita a vida de Junior Donadon a Deputado Federal. Se lançar Lizângela a Federal atrapalha Junior, provavelmente nenhum se eleja, e Junior assume a presidência da câmara no próximo biênio.

A pergunta é: “Melhor eleger Junior a Federal e Lizângela a Estadual, ou os dois perderam a eleição e Rover ter que aguentar Junior no seu encalço pelos próximos dois anos”? Essa é a verdadeira “sinuca de bico”.




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *