Anatomia Política – Sábado, 02/06/2012

488

Tour – Na semana passada fiz um tour por Jarú, Ji-paraná, municípios da BR 429, Cacoal e Pimenta e, nesta semana, pelo Conesul e Porto Velho. A política é dinâmica, e os movimentos se assemelham às águas, que mudam de posições de acordo com as temperaturas. A própria bíblia compara o povo às águas. E a política é feita de povo.
>>>
Desculpem-me – Na ultima semana não publiquei minha coluna por motivo de força maior, por isso hoje está cheia de novidades com molho de pimenta.  Inclusive seguem duas enquetes*, feitas na semana passada: uma de Ji-Paraná e outra de São Francisco.
>>>
Tá quente – E por falar em Pimenta, vocês podem pensar que eu estou gostando de “passar pimenta”, porque sempre tenho novidades da terra de Kaka, Plaça e outros xerifes. É porque o caldeirão tá fervendo naquela cidade que até pouco tempo era esquecida e agora parece desabrochar. Na semana que vem traremos números de lá.
>>>
Sem alças – Em Cerejeiras a coisa tá feia para o prefeito Cleber Calixto e o ex-deputado Ezequiel Neiva, que terão de carregar nas costas seus apadrinhados. A rejeição de Pedrinho e de Israel Neiva pode comprometer os planos dos xerifes maiores da cidade. Quem deita e rola é a oposição, que ganha fôlego com isso.
>>>
Na fila – Ezequiel Neiva, que teria maior chance de eleição para prefeito de Cerejeiras, não será candidato. Ele espera pela eleição de Neodi em Machadinho e Glaucione em Cacoal, para assumir uma vaga na Assembleia (ALE). Ele é o segundo suplente de deputado na coligação que elegeu Neodi e Glaucione, e depende desses dois resultados. Não será difícil de acontecer. O problema maior é com relação à Glaucione em Cacoal. Existem forças trabalhando para que ela decline a declare apoio ao Divino Cardoso.
>>>
Ele nega – Em Colorado paira a dúvida: Anedino é ou não candidato? A oposição garante que Anedino está fora do próximo pleito, por força da lei da Ficha Limpa, mas ele garante que não. O desconforto é dos eleitores que estão perdidos. Caso ele não seja mesmo candidato, a contagem deve começar do zero. Qualquer um pode ser eleito, até mesmo o PT, que bate na trave há quase trinta anos.
>>>
Ser ou não ser – outro que está colocando seus seguidores em dúvida é o ex-prefeito de Vilhena, Meki Donadon. Ele garante aos seus que é candidato e que está tudo resolvido. Pessoas mais próximas dele acreditam que ele lança a esposa, Rosane. Na verdade, a coisa ainda está complicada para Melki.
>>>
Milagres – Segundo informações obtidas no site da justiça eleitoral, nem Melki nem a esposa Rosane estão aptos a concorrerem.  Mas ainda há tempo, ao menos para Rosane, que responde a apenas um processo e tem chance de ir a julgamento e ser absolvida em tempo hábil. Já o Melki, este vai precisar de, pelo menos, três milagres.
>>>
Piorou – A coisa já estava feia para Luizinho Goebel e ficou pior. Com a repercussão do resultado da votação da cassação de Valter Araújo, que contou com sua defesa, Goebel pode enterrar seu plano de se eleger prefeito de Vilhena. Outro agravante é o fato do parlamentar tomar, no tapetão, o partido de colegas que estariam se aliando ao prefeito José Rover.
>>>
Retroceder – Essa palavra deveria fazer parte do vocabulário de Luizinho neste momento. Se bem que, de qualquer forma, sairá arranhado. Só a ameaça dele em sair candidato a prefeito de Vilhena já prejudicou sua reputação na BR 429, seu maior reduto eleitoral. Em Vilhena ele perdeu boa parte de seus principais aliados, que também são aliados de Rover e filiados aos partidos que ele “tomou de assalto”. E agora, Luizinho? Se correr o bicho pega, se ficar o bicho come.
>>> Enquete I – Em São Francisco do Guaporé, de cada cinco moradores, três querem votar na Lebrinha (Gislaine Lebrão – filha do deputado Lebrão) para prefeita, segundo enquetes* do IRPE (Veja Gráfico). Seus adversários estão desesperados e tentam desestabiliza-la, mas quanto mais fazem, pior fica. Dizem que as lebres são assim mesmo: quanto mais obstáculos em seu caminho, mas difícil alcança-las.
>>>

Enquete II – Em Ji-paraná a liderança é do Deputado Jesualdo Pires, do PSB. A tendência também foi aferida pelo IRPE em enquete* realizada na última semana. Esquisito é o apoio do Bianco ao Jesualdo. Não sei como o PSB vai administrar isso. Com tanta rejeição de Bianco, o risco é que o apoio se torne uma cruz que Jasualdo terá de carregar.
>>>
* “Enquetes não são pesquisas eleitorais. São sondagens sem os critérios metodológicos das pesquisas, sem controle de amostra, dependendo apenas da participação espontânea dos participantes. Sua publicação não requer registro no TRE – Art. 33 da lei nº 9.504/97”.

Dejanir Haverroth – Jornalista e pesquisador

 




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *